Vida

221

Ela unia todas as coisas. Era meu meio, início e fim. Vida da minha vida. Coração que batia fora do peito.

Tudo que possuía existência, viço, alma, era ela. Minha luz, minha árvore frondosa, amor incondicional. Tudo que havia de mais belo e sereno passava por ela. Era ela.

Ficava a horas a admirar seus movimentos, seus bocejos, seus gracejos. Tudo era lindo, novo, afável, amado, querido.

Você é tudo que eu possuo de mais incrível em mim. Não sei ser outra pessoa depois de você. Um amor visceral, uterino e eterno.

Aline Lima

Ignorados

0cc883a46f64b3675b6ab4c993e4f980

A gente já sabe que desde o primeiro dia, fomos ignorados.

Fomos pela maneira que nos relacionamos, somos pela maneira que vivemos, somos pelo que falamos, comemos, amamos.

A gente já sabe que eles têm uma ideia pronta do que somos. Eles acham que não somos felizes e para o padrão deles, não deveríamos existir.

Se amanhã tudo se evaporasse, diriam eles que estariam certos, que sempre tiveram razão, que nós fomos produtos ilusórios de nossas cabeças.

Mal sabem eles, que mesmo que tudo se esvaísse, teria valido a pena, porque nós estamos tentando.

E eles? Apenas nos ignorando e sendo cinzas…

Aline Lima.

Déjá-vu

tumblr_mpy702rayd1s30vsvo1_500

Era um déjà-vu. Já estive ali. Só não sabia como e o porquê.

Eu olhava para você sem entender os motivos, as falas,… Era tudo tudo conotativo, apenas letrável.

Meus sentimentos eram tardígrafos, os seus, vento.

Me joguei num mar de incertezas, me joguei no epicentro das dúvidas.

É assim… Talvez esperamos demais de outrem, esperamos que tenham o mesmo afeto que emitimos. E na maior parte das vezes, são apenas sílabas.

Aline Lima

Qual é o peso?

mascaras (2)

Qual é o peso dessas máscaras que sempre carreguei? Relutei em admitir que elas existiam, mas cada dia eu era uma. Às vezes solícita, outras, vazia. Era assim que eu me encaixava na vida.

Eram elas que me animavam a viver a vida miserável que eu tinha. Todos os dias eu me enganava com as mentiras mais sinceras. Éramos parceiras de vida, na vida e para a vida. Era mais fácil, mais seguro, mais confortável conviver, viver, sobreviver assim. Nietzsche me disse uma vez que ‘A mentira mais comum é aquela com a qual um homem engana a si mesmo’.

Até que um dia, envolta em tantas histórias, eu não sabia mais quem eu era, o que ou quem amava. Só sabia amarrar as fitas delas. Olhei no espelho e não me reconhecia mais. Resolvi desatar os nós, e deixá-las cair. Só não sabia o quão difícil era.

Lavada em lágrimas e sofrimento, arranquei todas elas e as joguei fora. Era como se fossem partes de mim. E na verdade, eram. E aos poucos refazer, retomar, reconstruir quem era aquele indivíduo que tinha todos os sentimentos de outrem dentro si, mas não sabia o que de verdade sentia. Não sabia até ali.

Aline Lima.

 

Fim

O olhar de um caminho

Deu-se o fim. O fim das conversas, das risadas, do tempo nublado na janela, dos pés roçando um no outro. Deu-se um fim por tantas coisas, por tantos desolhares.

Sem brigas, sem escândalos… Apenas seguirei com minhas coisas, meus sonhos, minhas realidades.

Não terá mais o bolo quente dividido, terei que aprender a comprar na internet, colocar apenas meu nome nas listas das festas, a conversa no banheiro será monólogo.

A vida não espera a gente se reerguer. Ela está acontecendo e a cabeça precisa estar erguida para que uma onda não nos leve.

O fim dói. Todo fim deixa incertezas. Será? Porquê? Como? Porque aconteceu?

Agora é hora de olhar pra frente. Na vida as coisas passam, como um comercial de televisão. Tem tempo determinado, por mais que não aceitemos, tudo tem seu tempo de vida. Cabe aceitar ou sofrer.

Aline Lima.

Não sei

_BG

Ele me disse que seria apenas casual, nada demais. A gente se encontraria, daria uns beijos e amassos e depois cada um seguia sua vida. No início, eu até gostei, mas com o passar do tempo eu fui querendo mais. Mais olhos nos olhos, mais carinhos, carícias, você em cima de mim, nós dois colados, mais amor.

Inicialmente, pensei:  Que bobagem! Aproveita garota! Pra quê se apegar? Pra quê sentir? E, por mais um tempo eu fui fingindo que não me importava, que toda situação estava confortável e eu estava satisfeita assim. Até que um belo dia, vi mensagens suas para outro alguém. Me senti nada. Meus sentimentos eram prótons, a intensidade era de anti-matéria. Eu queria me apegar, eu queria abraços longos sem motivo. Não sabia que o que me oferecia era tão pouco. A verdade, só me ofereceste o que podia.

Deixei você ir como folhas secas levadas pelo vento. Ligações rareadas, apenas um “oi, tudo bem?” para não passar por mal educada. Você me mostrou que sou sim, um ser que gosta de estar rodeada, que gosta de ser percebida, que gosta de ser constelação. Estou limpando as poeiras que ficaram, abrindo as janelas e deixando o frescor de um ‘me deixa ficar’ adentrar em mim.

Aline Lima.

Ela

perola azul

Ela desejava ser essas moças que usam batom nude e vão lindas para a rua. Ou então aplicam um pouco de blush para dar um ar de saúde. Desejava falar baixo, não dizer palavrão, ter cabelos de comercial de xampú, caber naquela calça 40 do comercial. Olhava para os comerciais de cerveja e sonhava um dia, quem sabe, ser uma daquelas saradas com um copo de cerva na mão.

Queria ardentemente ser encaixada num padrão. Seja ele qual fosse. Tentou ser patricinha, grunge, skinhead, bêbada, louca, feiticeira. Ela precisava estar enquadrada. Mal sabia ela o que iria descobrir.

Um belo dia, aos prantos, se olhando no espelho com seus olhos vermelhos, livrou-se dos esteriótipos. Ela era o que ela quisesse ser. Num dia estava arrumada, no outro all star. Num dia, salto alto, no outro, sapatilha.

O que descobriu é que ela não era superfície. Ela era profundidade. Não dava nados rasos e detestava que fossem vazios com ela. Ela era plâncton ou uma Supernova. Não tinha mais espaço para quem tinha morrido e era apenas poeira estelar. Ela falava de fótons com a mesma simplicidade de falar sobre arco-íris

Ela amava com os olhos, beijava as mãos, abraçava os sonhos. Ela queria ser junto, mesmo de longe, ela queria ser perto, mesmo que distante. Ela cuidava, era chata, perguntava, explicava a vida pelos braços de vida própria, pelo pensamento rápido que insistia em fazê-la passar vergonha muitas vezes.

Ela era intensa e não sabia ser de outra maneira. Ela era os batons escuros usados pela manhã, os cabelos soltos e jogados com charme e frequência para trás. Ela era abraço, beijo, aconchego, grito, voz alta. Mas principalmente, ela sabia que agora se pertencia e quem estava junto do coração dela.

Aline Lima.